Animes e Mangás

My Next Life as a Villainess e a prova de que ainda pode-se inovar em isekais!

Os isekai são previsíveis até certo ponto. E poucos se arriscam a fazer algo que fuja a premissa. E My Next Life as a Villainess é um destes.

Se você, assim como eu, tem um certo conhecimento dos animes dos últimos anos, já pode ter dado e cara com algum anime isekai. Para quem não conhece o gênero, trata-se uma estrutura narrativa onde o protagonista é trazido do mundo comum para um mundo supostamente mágico, geralmente inspirado em eras medievais com magia, como em Re:Zero, ou mundos tecnológicos, como em Sword Art Online. O problema este gênero, entretanto, é a existência de muitas histórias do tipo. Quantas? Difícil mensurar. A Wikipedia em inglês conta com 82 entradas, entre animes e mangás, catalogadas – e isso ainda não está próximo da realidade. Então, se há tantas obras do tipo, como fazer para se destacar? Bem, My Next Life as a Villainess tenta achar uma saída, ao colocar a protagonista em outro papel que não seja a de protagonista: A de vilã!

Nesta história seguimos Catarina Claes. Depois de um acidente na infância, ela recobra as memórias de sua vida passada. Até que se dá conta que sua atual vida passasse num Otome Game, chamado Fortune Lover. Neste tal jogo, ela é a vilã, e que seu destino seria a prisão ou a morte. Sabendo que toda a história futura e com tempo hábil para isso, ela então começa a arquitetar um plano para criar uma rota onde ela não é destruída, mudando todo o destino do jogo.

Isekai, muitos isekai…

As histórias isekai, em algum momento, deixaram de se levar a sério. Também pudera, se tornaram cada vez mais pedantes e cada vez menos interessantes, a ponto de chegarmos ao cúmulo de uma história sem sem sal em Isekai Cheat Magician, que eu me recordo de ter assistido há alguns anos.

Entretanto, apostar na comédia e os absurdos da ideia em si tem se mostrado algo interessante. Alguns animes já conseguiram bastante sucesso ao mostrar um ponto de vista diferente, apostando na comédia pastelão – como em KONOSUBA – Deus abençoe este maravilhoso mundo – ou nos absurdos da ideia de saber que é outra vida e como pode se aproveitar disso – o que é o caso deste anime.

O que se ganha ao saber do futuro

A protagonista, Catarina, tinha tudo para ser um personagem chato, irritante e odiável – por conta deste ser seu destino. Mas as mudanças provocadas pela volta de suas memórias adicionam um tempero interesse. O fato dela arquitetar um plano para poder se manter caso tudo dê errado é inusitado e por vezes mais interessante que o curso natural de sua personagem. Mas, ao mesmo tempo, sua ingenuidade a impede de perceber todas as profundas mudanças que ela causou em todos os outros personagens que teriam que se envolver com a Catarina Cleaes de Fortune Lover.

Se ao final de Fortune Lover um dos quatro possíveis personagens conquistáveis terminasse com Maria, nesta nova rota todos os personagens conquistáveis, incluindo as melhores amigas que a Catarina faz ao longo da vida, mostram-se possíveis pares românticos DELA – e não da protagonista do jogo, Maria. E isso você já percebe muito cedo na história.

O humor dá o tom

Todo o humor da história está mais no roteiro do que em piadas visuais. Aliás, a animação da Silver Link neste anime está dentro dos “padrões” aceitáveis para um anime de 2020. Não há coisas muito fantásticas, e algumas ações dos personagens são um tanto quanto robóticas – o que pode ter sido ocasionado por baixos orçamentos e corte de custos ao animar uma sequencia de uma forma menos trabalhada que outras.

Mas a animação mediana não tira o brilho que My Next Life as a Villainess mostrou em seus 13 episódios. Mas isso também me preocupa. Já foi anunciada uma sequencia para esta história. Mas a história se centra em todo o arco possível no jogo Fortune Lover – que, no último episódio, já estava cobrindo toda o arco final do jogo. Se irão tirar da cartola um possível Fortune Lover 2, só poderemos descobrir em 2021.


A primeira temporada da série está disponível em japonês, com legendas em português, na Crunchyroll.