Animes e Mangás

Kuzu no Honkai – Odeie a todos, ame a todos

Poucos animes me deram tanto ódio ao assistir, quando Kuzu no Honkai. Numa trama bem complicada, as questões do amor – e como lidar com a falta dele.

É bem complicado dizer o que eu senti com esse anime. Talvez eu tenha gostado, talvez eu o odeie com todas as forças do meu ser. A última coisa que eu consigo sentir com ele é indiferença. Kuzu no Honkai apresenta uma história que foge ao que esperamos os típicos animes que comumente chega às nossas telas. Uma trama feita de desencontros, e muita tristeza.

O enredo é bem básico, se você parar para analisar. O grande quê da história está no desenvolvimento dos personagens. O anime usa muito do seu tempo para isso, embora seja 60% da ideia do anime. São vários e vários momentos de discussão filosófica, consigo mesmos, sobre o amor. E essas discussões que levam a história a seu próximo passo.

São muitos personagens para falar. Use esta imagem para você não se perder no texto. (Imagem por Não é Minha Culpa que Não Sou Popular)

Posso dizer que a personagem mais instigante dessa história sobre amor e traição, é a Akane. O comportamento dela é o mais detestável de todo o anime. E mesmo assim você pensa em como ela chegou ao estado de espírito dela no últimos episódio. Eu vou tentar contar mais sobre ela, para não estragar o final para alguém, mas é realmente de se admirar que alguém possa mudar assim. Ou que, pelo menos, finja que pode mudar como ela ~em tese~ mudou.

O que me leva a dois outros personagens. Narumi e Mugi. Eles não me caíam bem nessa mistura. O primeiro mostrou-se ser tão desgarrado do pensamento alheio que aceitou ser corno manso com muito amor. Mas me pergunto se isso não foi uma estratégia, já que todos naquela história tinham um desenvolvimento dos seus pensamentos bem demonstrada, menos ele. Durante toda a história, o Narumi é mostrando como o ser mais inocente daquele universo. Mas eu não acredito nisso. Não desse modo. Não tão fácil.

Quanto a Mugi, vemos algo não muito diferente. Corre atrás de uma mulher mais velha, a Akane, que não lhe dá a mínima (mas lhe dá sexo). Tem a Noriko, que está aos seus pés, mas percebe que não é valorizada por isso. E há a Hanabi, a quem ama mas resiste em acreditar nisso.

Falando em Noriko, essa é a única que podemos dizer que terminou bem a história. Ela era submissa a um ideal de vida, parecer uma princesa e ter Mugi como príncipe encantado. Com o tempo, ela dá-se conta do mundo a sua volta, e percebe que nada irá ser como ela planejava. Ela aprende com sua história e evolui. Talvez seja a única personagem que eu tenha chegado perto de gostar nessa história. Talvez eu tenha gostado, vai saber.

E quanto a Hanabi? Falarei dela mais à frente. Primeiro é preciso falar de Sanae. Ela era a mais avulsa na história. Ela ama Hanabi, sabe que não conseguirá ficar com ela, sabe que ela e Mugi não se amam, e usa disso para chantagem. Ela é ruim, mas também é desesperada como qualquer outro neste anime. Você não consegue ficar com um sentimento ruim quanto ao desenvolvimento dela, todas as ações que ela faz levam-na a um futuro ruim. Meio que predestinada ao fracasso de seus encalços.

E finalmente posso falar de Hanabi. A odiosa. A manipuladora. Ou talvez ela não seja nada disso. Ela ama o Narumi, mas o vê indo cada vez mais longe. Arruma um “amigo colorido”, mesmo que seja apenas para conforto físico. Se deixa levar na onda da Sanae, pois ela tem medo de lutar contra. E acaba se comparando a víbora da Akane, mesmo que eu pense que o desenvolvimento dela não chega a tanto. Verdade seja dita, a Hanabi é a que mais mudou ao longo dos episódios, ao mesmo tempo que ela foi escolhendo sofrer cada vez mais por amor. Mas, se ela não tivesse seguido essa linha, Kuzu simplesmente não existiria.

Quando Kuzu no Honkai começou, isso em Janeiro de 2018, todos diziam-me para me preparar para o que viria. Não sabia se estavam brincando ou não. Hoje, posso dizer que este é o melhor conselho sobre essa série. São 12 episódios em que passamos odiando todos os personagens, ao mesmo tempo que tentamos entendê-los. É um drama, não espere por algum momento feliz. E mesmo os momentos felizes que existem no anime não são lá muito interessantes, alguns até dignos de questionamento. Eu não poderia estar mais P%*! da vida com um anime. Eu não poderia ter encontrado anime melhor que esse.


O anime de Kuzu no Honkai não está disponível no Brasil por meio de sites de streaming legalizados. Mas há sempre aquele jeitinho que todo fã de anime já conhece, para conseguir ver suas séries favoritas.